Parashá

Torah

Parashá Ki Tetsê – Traduzindo: Se vocês saírem ( para a guerra ) – Deuteronômio - 21:10 – 25:19

Resumo:

Embora o ideal de paz seja tão proeminente na Torá, D’us designou e criou o mundo de tal forma que ele deixa o homem sujeito a uma luta interior quase constante, tendo que guerrear implacavelmente contra sua má inclinação.

De fato, o Zóhar ( III 188b ) mostra que a palavra em hebraico para pão ( Lechem ) , deriva da mesma raiz que denota “guerra”. Isto simboliza o conceito de luta constante entre as naturezas ordinária e sublime do homem, se ele comeu seu pão com um glutão, da maneira como um animal come seu alimento, ou em um nível mais elevado, para manter o corpo sadio, a fim de poder fazer o que é bom e certo de acordo com a Vontade do Criador.

A Torá nos impõe prescrições referentes a guerra. Existem doutrinas que impedem a guerra aos seus praticantes, e existem os que pretendem permanecer absolutamente neutros e passivos diante de todo combate, mas não conseguem: ao contrário, caíram nas mãos dos inimigos. Por esta razão, a Torá determina o dever da autodefesa e da luta por nossos direitos.

É triste ter de recorrer á guerra e ao derramamento de sangue, mas há momentos em que essa é a única alternativa e tem de ser feito. A Torá não quer, de modo algum, negar isso, mas quando a guerra é necessária, deve se legislar até sobre ela. A tática do avestruz que esconde a cabeça é indigna, e se a guerra for necessária, submeter-se-á aos mandamentos da Torá.

No caso de guerra, onde todos os maiores sentimentos humanos são sufocados, a Lei de Moisés impõe prescrições, porque mesmo na guerra, não se pode perder a consciência do bem. Em primeiro lugar, a Torá ordena oferecer paz ao povo inimigo ( Deuteronômio 20:10 ); mais adiante no versículo 19, proíbe destruir as árvores frutíferas ao redor da cidade sitiada, pois a guerra não deve significar de maneira nenhuma a destruição; e os primeiros versículos desta Parashá, tratam das leis relativas aos direitos dos vencedores israelitas sobre as mulheres cativas.

O ideal máximo da Torá é a paz. Assim diziam os nossos profetas em suas prédicas; “ não levantara povo contra a espada, e não se ensinarão mais a guerra” ( Miquéias 4:3 ).

O Judaísmo sabe como é triste ter de recorrer á guerra e derramar sangue, mas, as vezes é a única alternativa. Mas, se a guerra é necessária, mesmo nela devem vigorar as leis humanas.

Para a Torá e os Mestres, há três categorias de guerras:

1-) Milchémet Chová – guerra de dever, isto é, aquela luta ordenada pelo Eterno para conquistar a terra dos sete povos que colocaram toda espécie de obstáculos a nossa conquista da Terra Prometida;

2-) Milchémet Mitsvá ( ou Milchémet Maguén ) – guerra de defesa contra o inimigo que pretende conquistar pela força a nossa terra;

3-) Milchémet Reshut – guerra de expansão, de anexação.

Segue abaixo os principais temas para consulta sobre esta Parashá;

• Deuteronômio 21:10 até 21:14 – Mulheres cativas de guerra;
• Deuteronômio 21:15 até 21:17 – Os direitos de um filho primogênito;
• Deuteronômio 21:18 até 21:21 – O filho rebelde;
• Deuteronômio 21:22 até 21:23 – Enforcamento e Enterro;
• Deuteronômio 22:1 até 22:4 – O cuidado com a propriedade alheia;
• Deuteronômio 22:5 até 22:5 – Travestismo;
• Deuteronômio 22:6 até 22:7 – Mandar a mãe-pássaro embora;
• Deuteronômio 22:8 até 22:8 – A construção de parapeitos;
• Deuteronômio 22:9 até 22:12 – Misturas proibidas;
• Deuteronômio 22:13 até 22:21 – Difamação de uma mulher casada;
• Deuteronômio 22:22 até 22:29 – Violação de intimidade;
• Deuteronômio 23:1 até 23:9 – Casamentos proibidos;
• Deuteronômio 23:10 até 23:15 – A santidade do casamento;
• Deuteronômio 23:16 até 23:17 – Abrigando escravos fugitivos;
• Deuteronômio 23:18 até 23:19 – Recato;
• Deuteronômio 23:20 até 23:21 – Juros;
• Deuteronômio 23:22 até 23:24 – Votos cumpridos;
• Deuteronômio 23:25 até 23:26 – Os direitos de um empregado;
• Deuteronômio 24:1 até 24:4 – Divórcio;
• Deuteronômio 24:5 até 24:5 – Recém-Casado; • Deuteronômio 24:6 até 24:6 – Pagamento de débito;
• Deuteronômio 24:7 até 24:7 – O rapto de um judeu;
• Deuteronômio 24:8 até 24:9 – O cuidado com as lesões de Tsara’at;
• Deuteronômio 24:10 até 24:13 – Garantia para empréstimos;
• Deuteronômio 24:14 até 24:15 – Pagamentos dos salários no tempo certo;
• Deuteronômio 24:16 até 24:16 – Testemunhos de parentes;
• Deuteronômio 24:17 até 24:22 – O convertido, a viúva e o órfão;
• Deuteronômio 25:1 até 25:4 – Açoite;
• Deuteronômio 25:5 até 25:10 – Casamento de Levirato;
• Deuteronômio 25:11 até 25:12 – A punição por causar embaraço;
• Deuteronômio 25:13 até 25:16 – Pesos e medidas corretas;
• Deuteronômio 25:17 até 25:19 – Lembrando Amalec;

A HAFTARÁ DE Ki TETSÊ ESTA EM : ISAÍAS 54:1-10