Parashá

Torah

Parashá Terumá - ( תרומה ) – Traduzindo : Contribuição - Êxodo 25:1-27:19

Resumo:

Terumá quer dizer “ contribuição ”, uma vez que o Tabernáculo foi construído de contribuições feitas pelos judeus.

A Parashá começa ( 25.1 ) com um pedido de D’us para que os judeus dediquem a Ele uma contribuição, que teria como destino a construção de um santuário dedicado a D’us, o Tabernáculo.

As contribuições feitas para o Tabernáculo tem duas dimensões:

• O ato de doar – que remove a contribuição da posse privada de dono, do aspecto mundano;
• O ato de coleta – que eleva a contribuição para que se torne propriedade do Tabernáculo;
• Abster-se do mal – através do qual uma pessoa remove seus hábitos e ações indesejáveis;
• Fazer o bem – através do ato que a pessoa eleva este mundo até a perfeição, para a qual ele foi originalmente planejado.

Na prática, o ato de doar não tinha que ser acompanhado de intensões santas, enquanto o ato de coleta o tinha. Isto nos ensina que, quando nos abstemos de fazer o mal, a pureza de nossas intenções não são tão importantes. Mas, quando nós fazemos boas ações e mitsvot, fazendo assim uma “ casa ” para D’us neste mundo, intenções puras são de extrema importância. ( Baseado no Likutei Sichot, vol 16, p 289 ).

Tal pedido nos revela o desejo de D’us em que sua Presença repousasse entre os judeus, assim como um Pai quer estar próximo a seus filhos.

O Tabernáculo ( Mishcán ) destinava-se a manter constantemente a presença Divina no seio do povo.

A Arca – 25:10 – A construção do Tabernáculo, tem instruções claras e detalhadas, e no quesito Arca , vai até o versículo 22. E como comentário adicional, a Arca Sagrada, que tinha em sua tampa de cobertura, 2 querubins, os rabinos do Talmud souberam, por tradição, que os querubins tinham o rosto de crianças ( Sucá 5b e Chaguigá 13b ) , um de menino e outro de menina.

A Mesa – 25:23 – Idem acima.

A Menorá – 25:31 – Também aqui D’us dá todas as instruções, até o versículo 40. A Menorá, segundo o Zohar, simboliza a árvore da vida ( Behaalotehá 148 ) e os seus sete braços, os sete planetas ou as sete palavras que compõem o primeiro versículo do Gênesis. A Menorá se converteu no símbolo judaico mais conhecido.

As coberturas do Tabernáculo – 26 : 1 – Mais instruções são dadas de como as tapeçarias cobriam o Tabernáculo, terminando no versículo 14.

As paredes e o conteúdo do Tabernáculo – 26:15 – até o versículo 36, de instruções completas.

Gostaria de ressaltar que toda entidade possui três aspectos :

a-) Existencial – O fato de existir, uma qualidade que a entidade divide igualmente com tudo no mundo.

b-) Funcional – a função especifica e única da entidade.

c-) Particular – detalhes secundários da entidade, que não são cruciais a seu funcionamento, mas não obstante contribuem para o seu caráter e disposição.

Uma vez que o Tabernáculo era um universo em microcosmo, suas três características-chave – paredes, aparato e coberturas – representam estes três aspectos :

a-) A dimensão “ existencial ” é expressada nas paredes do Tabernáculo, já que as paredes cercavam tudo o que existia dentro do Tabernáculo.

b-) A dimensão “funcional” é representada pelos utensílios do Tabernáculo – Menorá, Mesa, Altar, etc. – já que cada um deles tinha um função especifica.

c-) A dimensão “particular” se expressa nas coberturas, especificamente a camada externa de peles de Tachash multicores ( ver 26:14 ) que davam para o Tabernáculo uma cor atraente ( mas era um detalhe não funcional).

O Altar de Cobre : 27:1 até 27:8 – continua as instruções detalhadas para sua construção.
O Pátio do Tabernáculo : 27:9 até o fim da Parashá no versículo 19.

A Parashá Terumá possui 2 Mitsvot positivas e 1 proibição :

1-) Construir o templo sagrado ( 25:8 )
2-) Não remover as barras da arca ( 25:15 )
3-) Arrumar o Pão facetado e o incenso ( 25:30 )

Leitura da Haftará de Terumá: 1°Reis 5:26 a 6-13